Homens entre 25 e 29 anos compõem o maior grupo de usuário de drogas em Minas Gerais

Jovens viciados em drogas

Clínicas de reabilitação de drogas em Minas Gerais ganharam uma importante informação para seu trabalho no trato com os usuários de drogas locais. Uma pesquisa feita em 2015 pela Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) mostrou que o perfil dos dependentes químicos atendidos nas clínicas de reabilitação enquadra homens entre 25 e 29 anos de idade em sua maioria.

O estudo serve para direcionar as ações do estado no combate as drogas, mas também tem uso para as clinicas de reabilitação, pois pode nortear cada uma delas em relação ao perfil de pacientes.

Assim, a preparação e abordagem (sempre um grande problema) no tratamento podem ser remetidos a essa categoria de usuários de forma mais específica, maximizando o processo e o tratamento.

Dados da pesquisa

No ano de 2014 cerca de mil dependentes químicos se registraram, sendo que 83,5% eram homens, 45% tinham o ensino fundamental incompleto e 37% experimentaram primeiro o álcool.

E mais: o perfil mostrou ainda dados mais alarmantes. A pouca idade e a influência da família estão diretamente ligadas quando o assunto é dependência química. Segundo o estudo, 67% dos entrevistados começaram a usar droga entre 12 e 17 anos. E 82% das pessoas disseram que pelo menos um parente já havia usado entorpecente.

Ajuda aos usuários de drogas com as clínicas de reabilitação

É evidente há muito para ser feito no combate contra as drogas em Minas Gerais e, talvez o mais importante, há muito mais trabalho para livrar os jovens do terceiro estado mais rico do país dos malefícios das drogas.

No caso deles, quanto mais rápido eles iniciaram no caminho do vício, menos tempo para o desenvolvimento mental que todo jovem passa na fase de transição entre a adolescência e a vida adulta, o que torna imperativo a necessidade de aconselhamento para a busca de ajuda profissional.

Muitos desses jovens, literalmente, não possuem condições de julgar o que é melhor para eles e, nem mesmo, entender o que acontece de errado em suas vidas e as tragédias que o vício em produtos químicos ilícitos podem acarretar em seus organismos e vida pessoal.

Mais ainda: na vida de seus entes queridos.

Eles sofrem tanto quanto o usuário e, muitas vezes, não podem fazer nada para ajudar, ou, pelo menos, não sabem o que podem fazer.

Para vocês, parentes, o primeiro passo é descobrir que vocês não estão sozinhos. Há muitos jovens que são filhos, netos e sobrinhos que passam pela mesma situação, portanto, não se preocupem e não tenham vergonha de procurar os serviços de uma clínica de reabilitação. Somente não deixe uma pessoa que ama, com a vida toda pela frente, passar sozinha por um momento tão difícil.

Procure a Clínica Liberdade e tenha certeza de que seu neto, filho ou amigo estarão em boas mãos, mais do que capacitadas para devolvê-lo a vida.